Amalie Emmy Noether (1982-1935)

Para comemorar o mês das mulheres, na série de matemáticos do século XX traremos a vida e obra de Emmy Nother, uma fantástica matemática que superou as limitações da sociedade da sua época e conseguiu se destacar numa área que até então era predominantemente masculina.

PUBLICIDADE

COMENTÁRIOS RECENTES

Amalie Emmy Noether (1982-1935)

A Família
Amalie Emmy Noether, mais conhecida como Emmy Noether, foi uma matemática germânica, nasceu em 23 de março de 1882 em Erlange, Bavaria (Alemanha). Foi a filha mais velha de uma família judia de quatro filhos, seus pais eram Max Noether, professor matemático que trabalhou na teoria das funções algébricas, e Ida Kaufmann, de uma rica família de Cologne, ambas famílias de origem judia. Dois dos seus três irmãos mais novos tornaram-se cientistas - Fritz foi um matemático e Alfred obteve um doutoramento em química.

Formação
No ensino médio, estudou alemão, inglês, francês, aritmética e lições de piano na Escola Höhere Töchter, em Erlangen (1889-1897) e sonhava ser professora de línguas, prestou exames oficiais no Estado de Baviera (1900), obtendo o certificado com grau “muito bom” , entretanto nunca se tornou professora de línguas, pois resolveu seguir carreira universitária na area de matemática (caminho dificil para uma mulher naquela época).

Aos 18 anos, resolveu estudar na universidade onde seu pai era professor e graças a influencia dele obteve permissão para frequentar a Universidade de Erlangen entre 1900-1902. Em 1903, passou no exame em Nürnberg e foi para a Universidade de Göttingen. Assistiu às palestras de Schwarzchild, Blumenthal, Hilbert, Klei e Minkowski, e em 1904 conseguiu permissão para se matricular em Erlangen, pois as regras haviam mudado e as mulheres tinha os mesmos direitos que os homens.

Em 2 de Julho de 1908 completou a sua dissertação intitulada "On Complete Systems of Invariants for Ternary Biquadratic Forms", e um ano antes concluiu o seu doutoramento, summa cum laude, sob a supervisão do matemático Paul Gordan, tornando-se a segunda mulher a obter diploma na área de matemática.

Carreira
Por causa da crescente reputação qua adquiriu por meio das suas publicações, em 1908 foi eleita para o Circolo Matematico di Palermo e, no ano seguinte, foi convidada a participar do Deutsche Mathematiker Vereinigung, fazendo parte da reunião anual da Sociedade em Salzburg.

Em 1915, Klein e Hilbert convidaram-na para colaborar com eles num trabalho sobre a teoria da relatividade, acreditando que a sua experiência e conhecimentos lhes seriam úteis.

Devido à sua condição feminina, somente após mais de dez anos ela pôde ingressar nos quadros de Göttingen, graças à ajuda de colegas como Hilbert, com quem ela publicou um catálogo com o título de Seminário de física-matemática em 1916.

Em 1919, enfim, Emmy conseguiu o posto de Privatdozent – um título universitário alemão que serve para designar professores com habilitação para lecionar, mas sem a cátedra de ensino e/ou pesquisa e por isso, não recebia remuneração por parte do governo, nesse periodo em que não tinha a habilitação ela lecionava usando o nome de Hilbert. Depois desse periodo Emmy se afastou da Teoria Invariante para trabalhar na Teoria Ideal.

Em 1921 publicou um paper de fundamental importância para o desenvolvimento da álgebra moderna, chamado Idealtheorie in Ringbereichen. Neste artigo, ela deu a decomposição de ideais em interseções de ideais primários em qualquer anel comutativo com condição de cadeia ascendente.

Em 1924 foi professora do holandês B L Van der Waerden, que publicou posteriormente Moderne Algebra, em dois volumes, com a maior parte do segundo volume dedicado aos trabalhos de Amalie.

Em 1927, colaborou com Helmut Hasse e Richard Brauer no trabalho sobre álgebra não-commutativa.

Em 1933 ela foi demitida da Universidade de Göttingen e migrou para os EUA, pois o governo nazista decidiu expulsar os judeus que ocupavam postos em universidades, passando a trabalhar no Bryn Mawr College e no Institute for Advanced Study, em Princeton, New Jersey.

Emmy ajudou a editar Mathematische Annalen, além de ensinar e pesquisar, entretanto grande parte de seu trabalho aparece em artigos escritos por colegas e estudantes, e não sob seu próprio nome.

Reconhecimento
Em 1928, foi convidada para participar do Congresso International de Matemática de Bologna e também do de Zurique (1932), no mesmo ano em que ganhou, em conjunto com Emil Artin, o prêmio intitulado Alfred Ackermann-Teubner Memorial Prize for the Advancement of Mathematical Knowledge.


O trabalho de Noether pode ser dividido em três periodos:
1.O primeiro durou de 1908 a 1919, quando ela fez contribuições significativas à teoria dos invariantes e dos corpos numéricos. Foi nessa época que ela desenvolveu o Teorema de Noether, “um dos teoremas matemáticos mais importantes já provados dentre os que guiaram o desenvolvimento da física moderna”.


2.O segundo período aconteceu entre 1920 e 1926, quando Noether começou trabalhos que mudaram a face da álgebra abstrata. Isso porque em seu artigo pra lá de clássico chamado Idealtheorie in Ringbereichen (“Teoria de ideais nos domínios dos anéis”), de 1921, Emmy transformou a teoria dos ideais em anéis comutativos em uma poderosa ferramenta matemática que serve para diversas aplicações.


3.O terceiro período foi o que ocupou os anos entre 1927 e 1935, e foi nessa época que Noether conseguiu publicar seus principais trabalhos sobre álgebras não comutativas e números hipercomplexos, realizando a união entre a teoria das representações dos grupos com a teoria dos módulos e ideais.


Vários cientistas e colegas de trabalho de Emmy Noether elogiaram a sua genialidade:
“Ela veio e resolveu imediatamente dois problemas importantes. Primeiro: como se pode obter todos os covariantes diferenciais de qualquer vetor ou campo tensor em um espaço riemanniano? ... O segundo problema que Emmy investigou foi um problema da relatividade especial. Ela provou: Para cada transformação infinitesimal do grupo de Lorentz, corresponde um Teorema de Conservação.” (Van der Waerden).

 

“ O seu contributo para a álgebra não pode ser lido integralmente nos seus trabalhos, ela tinha grande poder estimulante e muitas das suas sugestões só tomaram forma nas obras dos seus alunos e colegas de trabalho” (Weyl em seu Memorial Address).
 

“No julgamento dos matemáticos vivos mais competentes, Fräulein Noether foi o mais significante génio matemático criativo até agora produzido desde que o ensino superior de mulheres começou. No campo da álgebra..., ela descobriu métodos que se revelaram de grande importância no desenvolvimento da geração actual de jovens matemáticos” (Albert Einstein, no The New York Times).
Mas o seu sucesso não duraria muito tempo. Em 1935 teve complicações decorrentes de uma operação para remover um tumor uterino, morrendo pouco depois, a 14 de Abril, com 53 anos.

Embora não tenha recebido os devidos reconhecimentos em vida, após a sua morte foi homengeada de várias fomas, seu nome foi usado para nomear uma rua na sua cidade natal, uma cratera na lua e a escola que ela frequentou na infancia.
 
Referencias
Amalie Emmy Noether. UFCG. Disponível em: . Acesso em: 04 abr. 2018.


Amalie Emmy Noether. Só Matemática, 2017. Disponível em: . Acesso em: 20 fev. 2018.


Gnipper, P. Mulheres Históricas: Emmy Noether, a “mais importante da história da matemática”. Canaltech, 2016. Disponível em: . Acesso em: 26 fev. 2018.


O'Connor, J J et Robertson, E F. Amalie Emmy Noether. Escola de Matemática e Estatística Universidade de St. Andrews, Escócia, 2017. Disponível em: . Acesso em: 04 mar. 2018.


Somente usuários cadastrados podem enviar comentários. Cadastre-se ou faça login